21 de janeiro de 2014

Mary & Max (2009)

Mary & Max é uma animação de stop motion australiana que possui uma característica idêntica a de seu personagem Max, a idiossincrasia. A peculiaridade da obra pega os pais desavisados de surpresa por tratar de assuntos incômodos do mundo adulto como solidão, rejeição e abandono. O diretor e roteirista Adam Elliot desenvolve a relação entre os dois personagens com maestria, ainda mais nos dias de hoje em que passamos a maior parte do tempo nos correspondendo com equipamentos eletrônicos, computadores, celulares. A crítica à sociedade surge de forma tímida e fere com violência.

Longe das animações convencionais que abordam temas leves e de forma bem humorada, a obra de Elliot possui humor negro e conta a história de Mary e Max em ritmo narrativo dramático. Mary é uma menina de oito anos que vive em Melbourne Austrália, retratada em sépia. Sua personalidade foi moldada pela ausência do pai e excessos da mãe alcoólatra o que a tornou intimista e solitária. Em busca de respostas para a perturbadora questão: de onde vêm os bebês, ela escolhe um endereço de forma aleatória dos Estados Unidos e envia uma carta. Max, o destinatário das missivas de Mary, sofre da Síndrome de Asperger e vive isolado da sociedade, com quarenta e quatro anos sem trabalho, namoradas ou amigos e com manias pouco comuns, tem sua vida transformada pelas cartas de Mary. Seu mundo é preto e branco, denotando idade avançada enquanto Mary ganha vida em seu mundo sépia.

A vida de todo mundo é como uma longa calçada...
Dessas correspondências surge uma amizade improvável entre duas pessoas que em comum possuem apenas a solidão. Interessante notar que a realidade fictícia descrita na animação reflete exatamente a nossa realidade atual em que nos relacionamos virtualmente com pessoas de várias cidades e países sem jamais ter um contato físico real com elas por meio de redes sociais ou aplicativos de bate papo. Essa frieza em analisar o modo comportamental da sociedade é uma clara crítica ao modo de vida e como tratamos os sentimentos de forma eletrônica. Passamos muito tempo rodeados de pessoas e ainda nos sentimos sozinhos, enquanto os dois personagens retratados vivem solitários e de certa forma nunca estão sós. Está é a mais profunda mensagem dessa obra fantástica de animação.


Confira o trailer:


Mary & Max é um trabalho ousado de Adam Elliot que moldou os bonecos em argila com o mesmo cuidado que teceu as palavras do roteiro. A falta de otimismo presente na obra e os assuntos abordados tornam a animação sombria e amedrontadora, principalmente aos mais conservadores. É um filme de arte com embasamento comportamental profundo e de relevância. Merece ser descoberto!

"...Algumas são bem pavimentadas, outras, têm fendas, cascas de banana e bitucas de cigarro."

E que o cinema esteja com vocês!



Mary e Max: Uma Amizade Diferente (2009) on IMDb