18 de maio de 2013

The Following


Confirmando a tendência das estrelas de Hollywood, Kevin Bacon é o mais novo integrante do universo dos seriados. Ele interpreta o ex-agente do FBI Ryan Hardy no thriller dramático The Following, criada pelo roteirista Kevin Williamson (Pânico, Eu sei o que vocês Fizeram no Verão Passado). A primeira temporada estreou em janeiro deste ano e terminou no fim de abril. A Fox renovou a série para uma próxima temporada. The Following narra a história da caçada a um serial killer que usa a tecnologia para criar uma seita de assassinos em série. O professor de literatura e admirador do escritor fantástico Edgar Allan Poe, Joe Carroll, destaque para a interpretação de James Purefoy, organiza sua rede assassina através da internet enquanto está preso. Ryan Hardy é o alvo principal de sua tortura psicológica ensaiada através das obras do expoente da literatura fantástica e adorador da morte Allan Poe, segundo sua ideologia de que a morte só pode ser comparada com a beleza, não há nada mais belo do que a morte de uma linda mulher os seguidores de Joe Carroll entram em seu jogo buscando a vingança de Hardy, captor de Carrol no passado.

Edgar Allan Poe The Following
A série chama a atenção pelo fato de tantas pessoas aderirem a uma ideia absurda, uma reunião de pessoas com a única finalidade de ferir outra por vingança, que no fundo não tem muito a ver com o fato de Hardy ter posto Carrol atrás das grades, mas sim pelo amor que este sente por Claire Matthews, sua esposa, vivida por Natalie Zea, e que se envolveu, após a prisão do marido, com o então agente do FBI Ryan Hardy. Todos os membros denotam certo desequilíbrio emocional e acreditam estar fazendo parte de algo grande e verdadeiro, tudo encabeçado por Carrol que, na verdade, é mais egoísta do que seus aliados imaginam. Pode parecer inconcebível tais atitudes, mas existem inúmeras seitas que pregam o fim do mundo e realizam suicídios em massa, homens-bomba que tiram a própria vida acreditando estar fazendo a vontade de um deus e elevando sua existência para a eternidade, entre outras. Em comum possuem um líder desequilibrado com alto poder persuasivo.


Outro fato notório é a capacidade de Carrol para influenciar pessoas. Ele, enquanto professor de literatura, era extremamente persuasivo em qualquer assunto que tratasse em sala de aula, iniciando assim sua rede de seguidores e admiradores. Tal poder de persuasão nos leva a uma rápida associação como uma pessoa do século passado, responsável pela morte de milhares de inocentes em prol da “raça ariana”. Adolf Hitler foi capaz de convencer quase toda a Alemanha e parte do mundo de que sua ideologia de separação racial e seleção nada natural visando uma raça pura (ariana), era necessária para o desenvolvimento e avanços de todas as áreas da humanidade, como medicina, por exemplo. No livro escrito por ele 10 anos antes da guerra, Mein Kampf (Minha Luta) ele diz o seguinte: “É possível por meio de propaganda convencer uma pessoa de que o céu é o inferno e que o inferno é o céu.” Tal política é abordada no seriado de forma concreta e infelizmente essa é uma verdade presente em muitas outras situações, a todo tempo pessoas são convencidas, seja por distúrbios ou por quem admiram, a cometerem crimes contra si ou outras pessoas. Esse política de marketing também é visitada diariamente pelas campanhas publicitárias que nos influenciam a comprar determinado produto, somos influenciados pelo que vemos e ouvimos e levados a tomar decisões baseadas no que nos fazem acreditar.

Hitler Mein Kampf
A audiência da série sofreu algumas quedas com o passar dos episódios, talvez pelo andamento novelístico que tende a deixar a trama um pouco morna e previsível, mas esta definição gera dúvida e arestas, visto que a cada episódio nos é apresentada uma realidade mais próxima da nossa e fatos que mudam o andamento e destino dos personagens, refletindo diretamente no desfecho da história. Os dois protagonistas, Kevin Bacon e James Purefoy desfilam posturas psicanalíticas e situações com citações literárias e filosóficas. Muito além de toda a matança o amor é o que move todos os personagens da série, o que soa um tanto contraditório dentro de todo o contexto do seriado e talvez essa seja a chave para entendermos esse mundo mórbido, assustador e tão próximo de nossa realidade.

Que o cinema esteja com vocês!