23 de janeiro de 2013

Piratas do Vale do Silício (1999)


No último dia 17 começou o Festival Sundance de 2013, conhecido por revelar grandes filmes independentes traz na grade desse ano a cinebiografia de Steve Jobs, com Ashton Kutcher, para encerramento do festival dia 27 de janeiro. Como aquecimento pelo lançamento de jOBS falo um pouco mais sobre Piratas do Vale do Silício obra baseada no livro Fire in the Valey: The Making of the Personal Computer, de Paul Freiberger e Michael Swaine que narra o início de duas das maiores empresas de tecnologia de todos os tempos: Apple e Microsoft,lançado em 1999 no auge da Microsoft e logo após o retorno de Steve Jobs à Apple.

Jobs e Gates
É importante ressaltar o contexto tecnológico quando do lançamento do longa. Bill Gates era o homem mais rico do mundo, Jobs ainda não lançara o iPod e a Apple beirava a falência. Jobs e Gates, inimigos declarados, selaram um acordo na tentativa de salvar a Apple, empresa fundada por Jobs e Steve Wozniak em 1976. Dentro desse prisma é compreensível que Bill Gates seja retratado, de certa forma, como um “herói”, enquanto Jobs com seu temperamento explosivo é visto como um “vilão bonzinho”.

Apesar do gênero dramático a produção beira a comédia, o dublador e ex-comediante stand-up John DiMaggio vive Steve Ballmer, é dele os momentos mais inusitados em que tenta de todas as formas desviar a atenção de Gates, interpretado por Anthony Michael Hall, e Paul Allen, vivido por Josh Hopkins, a estratégia varia de revistas Playboy a incursões a boates noturnas, mas nada desliga a mente tecnológica dos dois fundadores da maior empresa de software do mundo.

O filme começa com a produção do lendário comercial 1984, dirigido por Ridley Scott para promover o Macintosh. Foi exibido pela primeira vez na final do Super Bowl em janeiro de 1984 e elevou o nível dos comerciais que passariam neste evento até os dias de hoje. É visto como um marco histórico para a publicidade e propaganda. O comercial mostra um discurso em um telão gigante com tons ditatoriais, surge uma mulher com um martelo em mãos e o arremessa contra a tela, seria o fim da idade das trevas da eletrônica e o marco zero estava ali, escancarado com o artístico Macintosh.

Confira o comercial 1984:


Jobs e a imagem gigante de Gates projetada atrás de si
Anos depois de selarem o acordo, Jobs diria acerca do evento em que teve a imagem de Bill Gates ampliada em um telão, que esse foi seu maior erro, ele aumentara Gates diminuindo a Apple. Alguns dos presentes nessa apresentação chegaram a duvidar da veracidade daquele encontro, imaginando que a qualquer momento uma mulher irromperia o corredor e desferiria um martelo na imagem de Gates, em alusão ao comercial de 1984.

Jobs e Woz
Em um trecho intimista do filme é possível notar o incômodo de Jobs ao ver seu amigo Woz construindo um computador, no mesmo instante ele busca alternativas para comercializar a máquina, determinando desde então o papel de ambos na Apple. Woz não acusa Jobs de tê-lo roubado, ele admite que jamais conseguiria vender suas máquinas como Steve.

Em outra cena somos transportados à garagem de Steve Jobs, interpretado por Noah Wyle, que com Steve Wozniak, vivido por Joey Slotnick,que recebem a visita de Mike Markkula, momento histórico para o futuro da tecnologia. Markkula, investidor de risco,apostou na empresa dos dois, surgindo então uma das maiores e mais inovadoras empresas de todos os tempos.

O lado explosivo e controverso de Jobs é mostrado de forma crua, como o abandono de sua primeira filha;o modo binário de lidar com as coisas, se um projeto não era perfeito era uma “bosta”; a briga de egos com Bill Gates e a excentricidade criativa e social também são expostas de formas questionáveis.

Piratas do Vale do Silício, como dito no início, não abrange a melhor fase de Steve Jobs, após seu retorno à Apple, em 1997, a empresa ainda criaria o iPod, iPad e iPhone o que a elevou ao posto de mais valiosa do planeta. Steve Jobs Revolucionou o mundo de uma forma, no mínimo, irônica, usou drogas, não cursou faculdade e buscou iluminação na Índia. Berrava aos quatro ventos, humilhava ou exaltava qualquer um com sua visão binária e foi demitido da empresa que ele próprio criara, mas graças a seu apreço pela arte e sua visão futurista, o mundo é um lugar melhor.

Confira o trailer:


Que o apreço pela arte esteja com vocês!