16 de fevereiro de 2013

O Lado Bom da Vida (2012)


O lado bom da vida (Silver Linings Playbook) é uma comédia romântica nada convencional que aborda um problema sério de forma leve e suave, afinal toda nuvem tem seu fundo prateado. David O. Russel dirigiu a obra que foi muito elogiada pela crítica e recebeu oito indicações ao Oscar. Assim como a bipolaridade abordada na trama o filme segue a mesma tendência, oscila em alguns momentos proporcionando excelência e cadência ao andamento, que por sinal é bem rápido. O longa não é repetitivo e presa pela originalidade.

São raros filmes ou seriados com alguma canção do Led Zeppelin em sua trilha, devido a complicações contratuais e falta de vontade da banda em estampar qualquer propaganda para o cinema. O Lado Bom da Vida me ganhou tocando o lado bom da música – com o perdão do trocadilho - com a belíssima canção What Is And What Should Never Be da banda inglesa, em uma cena memorável e divertida, a melhor do filme.

Pat Jr. e Sr.
Harvey Weinstein
Os personagens normais do longa, como o casal Ronnie (John Ortiz) e Veronica (Julia Stiles), fazem as pessoas normais parecerem malucas e situações corriqueiras parecerem terapia, essa é a grande sacada do filme, mergulhar o telespectador no clima da bipolaridade e TOC abordados no filme. Outra situação atípica ocorre no final quando fazem uma comemoração estranha que desperta a atenção de todos os presentes em uma competição.

A atuação dos atores foi muito elogiada pela crítica. Desde Reds de 1981 um filme não tinha indicações para as categorias de melhor ator e atriz principais e também para os coadjuvantes. Muitos acreditam no lobby de Harvey Weinstein da distribuidora Weinstein Company, ele é conhecido no meio cinematográfico pela forte propaganda que realiza dos filmes que distribui como o Paciente Inglês em 1997 que levou nove Oscars e na controvertida vitória de Shakespeare Apaixonado contra O Resgate do Soldado Ryan em 1999. O Lado Bom da Vida é um filme bom, mas foi superestimado pela crítica e pela Academia.

De Niro se emociona ao falar sobre o filme
Bradley Cooper interpreta Pat, recém-saído de uma instituição mental que conhece a não menos perturbada Tiffany, vivida por Jennifer Lawrence, duas caras novas para o grande público, mais conhecidos por seus papéis em filmes menores, como Se Beber Não Case (Cooper) e Jogos Vorazes (Lawrence), no entanto, ela já teve uma grande atuação em Inverno da Alma. Ambos foram bem em seus papéis que exigem excentricidade – imaginem Johnny Depp no papel de Pat – e um grau de loucura cômica. Robert de Niro, presente na lista de indicados ao Oscar, fato que não acontecia desde 1992 pelo temeroso e sombrio Cabo do Medo, também foi superestimado em sua atuação, ao viver o pai de Pat, um senhor simpático com TOC, porém muito ranzinza. Ao lado de Jacki Weaver garantiram inúmeros momentos hilários. Recentemente De Niro chorou em uma entrevista concedida a uma emissora dos Estados Unidos ao falar sobre o filme, ele lembrou que David O. Russell possui um filho com bipolaridade e disse saber o que ele passava com isso, o ator ficou muito emocionado. Também participa do longa como interno do manicômio em que Pat estava internado, seu amigo Danny, vivido por Chris Tucker.

Lawrence e Cooper
O Lado Bom da Vida venceu o BAFTA de melhor roteiro adaptado e concorre na mesma categoria no Oscar, além de melhor filme e melhor diretor para David O. Russell.

Confira o trailer:

Que o cinema esteja com vocês!